ATUALIZAÇÕES SOBRE O CORONAVÍRUS – 16.03

Vamos a mais uma nova segunda-feira e com ela atualizações semanais sobre o coronavírus. 

Nos últimos dias, a quantidade de notícias e preocupações cresceram exponencialmente. Não é momento de pânico e sim de informações relevantes. Queremos lhe orientar como o mundo se comportou nas últimas 576 horas. 

A notícia boa disso tudo é que apesar de todo este cenário, autoridades enxergam com clareza que em breve tudo voltará ao normal. E nós da ETC, em momento algum, não tiraremos de você o sonho de realizar o seu desejado intercâmbio. Precisaremos fazer alguns ajustes daqueles que estão prestes do embarque para uma data mais favorável, tornando a experiência ainda mais sensacional. 

Aos intercambistas que estão com o embarque próximo (até 07.04), recomendamos que junto com o seu consultor, definam uma nova data. Aos alunos que estão com viagem marcada a partir da segunda semana de Abril, recomendamos uma conversa para avaliar cada caso. Pois como alguns países já começaram a tomar algumas medidas desde a semana passada, acreditamos que estaremos seguros em algum deles dentro de umas semanas.  

Aqueles que programaram o seu intercâmbio a partir de Maio, estamos confiantes que o cenário global estará positivo neste momento. Alguns países já passaram pelo pico e os números começaram a decrescer.    

Na próxima Segunda-feira, estaremos de volta, com atualizações. Pereceremos à disposição e agradecemos a compreensão e sensatez de todos neste momento tão delicado da humanidade. 

Tabela comparativa dos casos confirmados x óbitos: 

PaísNúmero casos confirmados (até 08.03)Óbitos (até 08.03)Número casos confirmados (até 15.03)Óbitos (até 15.03)
Austrália 7432493
Alemanha79503.7958
Canadá5702441
Coreia do Sul 7.134508.16275
Estados Unidos213111.67841
França 706104.46991
Itália5.88323421.1571.441
Irlanda1901292
Malta30120
Nova Zelândia5060
Reino Unido21021.14421
Brasil  2000

Finalizo esta mensagem com o texto, de grande lucidez,  do Dr. Abdu Sharkawy, Médico Infectologista da Universidade de Alberta, no Canadá. 

“Sou médico e infectologista. Eu trabalho com isso há mais de 20 anos vendo pacientes doentes diariamente. Eu trabalhei em hospitais nas cidade e nas favelas mais pobres da África. HIV-AIDS, hepatite, tuberculose, SARS, sarampo, caxumba, coqueluche, difteria … há pouco a que não tenha sido exposto em minha profissão. E, com notável exceção da SARS, muito pouco me deixou vulnerável, sobrecarregado ou absolutamente assustado.

Não tenho medo do Covid-19. Estou preocupado com as implicações de um novo agente infeccioso que se espalhou pelo mundo e continua a encontrar novos pontos de apoio em diferentes solos. Preocupa-me, com razão, o bem-estar dos idosos, daqueles com saúde frágil ou desprovidos de privilégios, que sofrem principalmente e desproporcionalmente nas mãos desse novo flagelo. Mas não tenho medo do Covid-19.

O que me assusta é a perda de razão e a onda de medo que induziram as massas da sociedade a uma espiral inacreditável de pânico, armazenando quantidades obscenas de qualquer coisa que pudesse preencher adequadamente um abrigo antiaéreo em um mundo pós-apocalíptico. Tenho medo das máscaras N95 que são roubadas de hospitais e clínicas de atendimento de urgência, onde elas são realmente necessárias para profissionais de saúde de primeiro atendimento, que em vez disso, estão sendo colocadas em aeroportos, shoppings e cafés, perpetuando ainda mais medo e suspeita de outras pessoas. Estou com medo de que nossos hospitais fiquem sobrecarregados com quem pensa “provavelmente não o têm, mas que pode ser examinado, não importa o que aconteça, porque você nunca sabe …” e aqueles com insuficiência cardíaca, enfisema, pneumonia ou acidente vascular cerebral pagarão o preço pelas salas de espera de emergência com escassez de médicos e enfermeiros para realizar consultas.

Tenho medo de que as restrições de viagem se tornem tão extensas que os casamentos sejam cancelados, as formaturas perdidas e as reuniões familiares não se concretizem. E bem, mesmo aquela grande festa chamada Jogos Olímpicos … que também poderá ser suspensa. Você consegue imaginar isso?

Receio que os mesmos medos epidêmicos limitem o comércio, prejudiquem parcerias em vários setores e negócios e culminem em uma recessão global.

Mas, principalmente, estou com medo de que mensagem estamos passando aos nossos filhos quando confrontados com uma ameaça. Em vez de razão, racionalidade, mente aberta e altruísmo, estamos dizendo para que entrem em pânico, sejam medrosos, desconfiados, reacionários e com interesse próprio.

Covid-19 está longe de terminar. Chegará a uma cidade, um hospital, um amigo e até um membro da família perto de você em algum momento. Aguarde. Pare de esperar o pior. O fato é que o próprio vírus provavelmente não fará muito mal quando chegar. Mas nossos próprios comportamentos e a atitude “lute por si mesmo acima de tudo” podem ser desastrosos.

Eu imploro a todos vocês. Tempere o medo com a razão, o pânico com a paciência e a incerteza com a educação. Temos a oportunidade de aprender muito sobre higiene de saúde e limitar a propagação de inúmeras doenças transmissíveis em nossa sociedade. Vamos enfrentar esse desafio juntos, com o melhor espírito de compaixão pelos outros, paciência e, acima de tudo, um esforço infalível para buscar a verdade, fatos e conhecimentos, em oposição a conjecturas, especulações e expectativas catastróficas.

Fatos, não temor. Mãos Limpas. Corações abertos.

Nossos filhos vão nos agradecer por isso.”

Sou a Neila Chammas, fundadora e diretora geral da ETC. Tenho 38 anos, sou mãe de 2 crianças e filha de pais que estão no grupo de risco. Sempre conduzo minha vida pessoal e profissional com responsabilidade e seguirei fazendo o mesmo agora e sempre. 

Vejo que o momento atual, sem precedentes na nossa história, trará aprendizados e boas lições. E torço para que realmente a tranquilidade volte a reinar o mais breve.

Continuem confiando na gente e contando com a ETC Intercâmbio.